Jogar comida fora

Quem acompanha o Cerveja e Salsicha pelo Instagram, deve ter visto a publicação de algumas semana atrás sobre o Foodsharing. Então, hoje é o Dia Mundial da Alimentação: talvez seja bom lembrarmos do problema de jogar comida fora.

Há alguns anos, venho notando movimentos e iniciativas contra o desperdício de alimentos aqui na Alemanha.  Em 2012, o Ministério da Agricultura alemão lançou um programa para educar e ajudar a combater o desperdício de alimentos, muitas vezes alimentos que ainda podem ser consumidos sem colocar em risco a saúde.

Jogar comida fora: o caminho até o lixo

Nesse programa, o governo aponta 3 motivos que acabam levando a comida para o lixo:

  • Falta de planejamento: não saber o que e quanto realmente precisa acaba deixando o consumidor mais sensível às ofertas do tipo “pague 2, leve 3” e a compra desnecessária.
  • Armazenamento errado: muitas vezes a temperatura da geladeira está apropriada para os alimentos. Às vezes aquele alimento teria maior durabilidade fora da geladeira. Enfim, é comum armazenarmos de forma errada e assim encurtamos a ‘vida’ do alimento.
  • Preparo: fazer comida para sobrar pode poupar tempo, mas ela precisa ser conservada corretamente. Aquele monte de comida dentro das panelas em cima do fogão certamente não contribui muito.

O que o programa do governo esquece de apontar é que os supermercados e comerciantes são responsáveis por cerca de 14% do desperdício de alimentos quando na verdade quase 90% poderia ter outro destino. As leis também não ajudam muito… Mas iniciativas de cidadãos tentam reverter esse quadro.

Algumas Iniciativas

Foodsharing: o objetivo principal do grupo formado por voluntários é ‘salvar’ os alimentos que por algum motivo não serão mais vendidos, mas ainda podem ser consumidos. Os ‘salvadores’ assinam termo de responsabilidade pelo recolhimento e redistribuição dos alimentos recolhidos dos locais comerciais. Esses alimentos são distribuídos gratuitamente em associações, instituições de caridade, cozinhas de centros sociais e para qualquer um que tiver interesse. Eu mesma já estive presente em eventos onde o pessoal do Foodsharing estava com banca. Numa ocasião, trouxe um pão integral com nozes e castanhas inteirinho para casa. Da outra vez foi rabanete: adoro!

Restlos Glücklich: a ideia dessa iniciativa é basicamente a mesma, ou seja, aproveitar alimentos que ainda podem ser consumidos. Sabe aquele um tomate que sobrou e você não sabe o que fazer com ele? Pois bem, eles organizam cursos e oficinas com ideias de como utilizar melhor os alimentos em receitas criativas. Para adultos e crianças, eles também têm cursos de sensibilização quanto ao desperdício e culinária. Os alimentos que eles ‘salvam’ fazem parte do cardápio do pequeno restaurante dirigido pelo grupo.

Fazendo conservas

Quase coincidindo com o Dia Mundial da Alimentação, participei de um evento organizado pela ZK/U e Stadtfrauenküche para fazer conservas. As frutas e os legumes que utilizamos não seriam vendidos porque não estavam no tamanho padrão ou porque a colheita foi grande e com isso os mais ‘feios’ não foram comercializados. Tinha cenoura, abóbora, pepino, couve-flor, beterraba, repolho, pera, marmelo, cebola, pimenta, entre outros. Descascamos, picamos e enchemos os vidros já esterilizados para fazer as conservas. Depois eles seguiram para o cozimento e enquanto esperávamos, aproveitamos para comermos juntos uma deliciosa sopa de abóbora que também veio no carregamento de frutas e legumes salvos. Fizemos também etiquetas para nossa ‘produção’ de conserva, trocamos ideias e eis que os primeiros vidros ficaram prontos. Rendeu muito e todos que participaram puderam levar para casa.

O que você achou dessas iniciativas? Você acha que desperdiça muita comida? Deixe seu comentário.

2 Responses to “Jogar comida fora

  • Adorei essas iniciativas. Bem que podia ter algo parecido aqui no Brasil, né? Não concordo com desperdício de alimentos (de nada, na verdade, mas alimentos é ainda pior quando a gente sabe que tantas pessoas estão passando fome por ai).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *