Comida sobre rodas

No mundo nada se cria, tudo se copia… e adota um nome estrangeiro para ficar mais moderninho e com cara da última novidade das galáxias. É difícil para nós, seres humanos que nascemos depois da invenção da roda e da descoberta do fogo, querer inventar e descobrir de novo essas coisas. Sim, podemos achar novas utilidades, modificar, aprimorar e adaptar antigas ideias.
Street food auf Achse - Kulturbrauerei

©Cerveja e Salsicha

Comida de rua

Pois é, comprar comida na rua e sair comendo pelo caminho ou ali perto do tio ou da tia que está vendendo é muito mais antigo do que se imagina. Segundo minhas pesquisas superficialmente científicas, na Grécia e em Roma Antigas e no século XII no Egito, só para dar alguns exemplos, o povo já comprava comida de vendedores de rua.
Dando um salto para o século XX, me lembro que desde sempre vi e comi comida de rua. A forma como ela era vendida podia ser bem variada – em barraquinha, tenda, carrocinha, Kombi ou Towner adaptada, quiosque, cesta de palha –, mas a verdade é que vendiam comida de rua ou no linguajar mais apropriado para o século XXI: street food. 
 
A moda agora é falar food truck e fazer de conta que é a descoberta que vai mudar o rumo da humanidade. Se vai mudar o rumo, eu não sei, mas com certeza as finanças. Porque agora ninguém tem mais um trailer de cachorro quente na praça; ninguém sai da noitada e pára para comer aquele sanduba super X-Egg-Bacon com batata palha, ervilha, milho, maionese, mostarda, ketchup (e sabe Deus mais o que!) na Kombi que fica perto do ponto de ônibus; ninguém pega mais um espetinho de carne passado na farofa lá da barraquinha e sai comendo pelo caminho. Isso é coisa do passado! A mudança de nome permite o aumento de preços. Estou esperando o dia que será necessário colocar traje a rigor para comer um dogão completo ou tomar um feijão amigo numa barraquinha…
Implicâncias à parte, gosto muito de comida de rua e vou continuar gostando, mesmo que daqui pra frente eu tenha que usar street food e food truck para ser entendida. Acho também que os vendedores de comida de rua, especialmente aqueles que sempre viveram disso, mesmo quando eram olhados de lado e a comida que vendiam não era valorizada, não podem perder o lugar deles nas ruas. Apenas isso.

Sobre rodas

Street Food auf Achse - Plakat

©Cerveja e Salsicha

Ontem estive presente na segunda data do evento Street food auf Achserealizado em Berlin. A ideia é ser uma plataforma para a divulgação da comida feita aqui, por gente de vários cantos do mundo. Havia muitos food trucks e barraquinhas. A oferta de comida ia de hamburger de salmão com molho de camarão, passando por tapioca de carne seca com queijo até dumplings da Mongólia. Tinha muita coisa gostosa. Foi um teste de resistência não provar um pouco de cada coisa. Acabei optando pela tapioca, um pastel de frango e um tortinha recheada de batata, queijo e cogumelos.

O vento gelado que bateu não permitiu que esperasse para fazer um espaço no estômago para provar de outras iguarias. Mas sem problemas: Street food auf Achse vai rolar mais 6 vezes até abril. É a chance de provar de novo comidinhas gostosas ou descobrir outras.

2 Responses to “Comida sobre rodas

  • Lu, teve uma feira aqui em NRW só esses food trucks, mas a fila tava tão grande, que o tempo que eu esperaria , deu tempo de ir pra casa, cozinhar e os meus amigos que ficaram ainda nao tinham conseguido comprar nada!
    de qualquer forma eu adoro coisas diferentes e ainda espero encontrar um caminhao pra comer ( comer a comida dele né?)
    hahahahah
    Beijos e que bom que está de volta nas postagens! <3

  • Oi, Pam!
    Obrigada por sua visita. Pois é… estou de volta nas postagens 🙂
    Olha, não tenho paciência para ficar hoooooras numa fila para comer alguma coisa. Se eu estiver com muita fome, aí que eu não fico mesmo! Há um grande risco de me tornar agressiva e comer um par de cabeças hahahaha
    Beijos <3

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *