Balões e Muro

Lichtgrenze: atrás do Reichstag

©Cerveja e Salsicha | Lichtgrenze: atrás do Reichstag

Muito foi noticiado sobre a festa de comemoração dos 25 anos da queda do Muro de Berlin. Fica a dúvida se ainda cabe mais um artigo sobre a festa. Como cada pessoa viu de uma forma, creio que não seja demais voltar ao tema.

Lichtgrenze

A ideia dos irmãos Bauder foi genial. A instalação com os balões iluminados foi uma intervenção urbana simples, mas muito forte na minha opinião.
Por um lado, a linha de luzes formada pelos balões fez muita gente relembrar o percurso do Muro; por outro, mostrou para quem não conhecia onde ficavam os limites entre Berlin Ocidental e Oriental. O pesado e massivo concreto usado no passado deu lugar a leveza das luzes. A famosa linha dura vista de cima nas fotos e postais deu lugar a leveza dos balões.
Durante três dias, as pessoas passearam pela cidade acompanhando o muro de luzes. Era possível ouvir histórias de quem viveu e conviveu com o Muro; gente passando para as crianças essa parte tão recente da história.

Balões subindo

'Padrinhos' dos balões identificados com a jaqueta vermelha

©Cerveja e Salsicha | ‘Padrinhos’ dos balões identificados com a jaqueta vermelha

Como acontece em várias datas importantes, foi montado um palco no Brandenburger Tor. A rua logo ficou lotada e quem não chegou cedo não pode entrar. Como assim entrar?
A Straße 17. Juni fica cercada do Brandenburger Tor até a SiegessäuleColuna da Vitória –  com ‘entradas’ em determinados pontos. Dessa forma é possível controlar se as pessoas estão portando armas, objetos pontiagudos que podem ferir, vidros e garrafas bem como líquidos, por exemplo. Para entrar, tudo isso deve ficar do lado de fora. Quando a rua fica lotada, por motivos de segurança, ninguém mais pode ‘entrar’.
Pode-se dizer que a maioria das pessoas ficou foi do lado de fora mesmo. Além disso, a festa grande foi no Brandenburger Tor, mas as pessoas se reuniram por toda a cidade ao longo da Lichtgrenze.
Por volta das 19:30, os balões começaram a subir. Os balões foram ‘apadrinhados’. Os padrinhos se reuniram no domingo à tarde. Eles receberam instruções sobre os procedimentos necessários para soltar os balões. Eles eram identificados por jaquetas padronizadas de acordo com cada grupo.
Chave para acionar o balão

©Cerveja e Salsicha | Chave para acionar o balão

Cada padrinho escrevia sua mensagem num cartão que depois foi preso ao balão por ele ‘apadrinhado’. Ele também era responsável por encaixar uma chave no pé da luminária onde o balão estava preso para que ele subisse no momento certo.
Conforme os balões foram subindo, a fronteira de luzes foi desaparecendo. Foi uma forma muito singela de representar a queda do Muro.

Nem tudo é perfeito

Por mais que os organizadores tenham se empenhado para que tudo saísse perfeito, alguns balões não subiram ou subiram atrasados. De qualquer forma, as pessoas vibraram a cada balão que subiu e vibraram mais ainda quando um balão preso se soltava.
Fiquei bem atrás do Reichstag em direção ao rio Spree. Creio que para muitas pessoas o momento que os balões subiram mexeu com sentimentos guardados lá num canto do coração. Por isso mesmo, foi uma festa calma. Não vi nenhuma confusão, nenhuma briga, baderna ou bebedeira.

©Cerveja e Salsicha | Aguardando a hora dos balões subirem

Sim, teve gente que criticou que foi muito encenado. Hallo?! Mas era uma encenação! A queda do Muro foi dramatizada num teatro a céu aberto. Outras esperavam algo grandioso. Não entendi, sério. Grandioso é só quando tem muito barulho, muita luz colorida e muita gente dançando? Para quem estava esperando por algo desse tipo, então deve ter sido uma decepção mesmo.
Acho que combinou muito bem com os 25 anos. Na comemoração dos 20 anos da queda, por exemplo, foram utilizados blocos que imitavam as placas do Muro. Os blocos foram montados de forma que caíssem, num dado momento, em efeito dominó. Não dava para fazer a mesma encenação cinco anos depois. Além disso, o balão é suave e a tendência é que o percurso original do antigo Muro fique cada vez mais leve… e até suma como já vem acontecendo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *