Escurinho do cinema

Por ocasião do dia da língua alemã, os dois últimos artigos trataram de música e comediantes alemães, respectivamente. Hoje o assunto é cinema. Um filme na Großleinwand (telona) é outra coisa. Você gosta? E de cinema alemão?

Mudo

A Alemanha foi uma das pioneiras da produção cinematográfica. A primeira projeção aconteceu em 1895. Logo o cinema passou de tentativas individuais de projetar a imagem móvel para uma verdadeira indústria de filmes.

Em 1912 foi inaugurado o maior estúdio cinematográfico da época, o Studio Babelsberg em Potsdam, um precursor de Hollywood.

Os filmes eram mudos e tinham o acompanhamento de um pianista durante a exibição. Ainda hoje é possível ver filmes à moda antiga, ou seja, filme mudo com acompanhamento musical ao vivo. O legal desses filmes é que não precisa entender bem o alemão, já que não há som e poucas vezes surgem frases escritas na tela. Então dá para se concentrar em outros detalhes que não a língua.

Com áudio

Cartaz Good bye Lenin

“Good Bye Lenin” by X-Filme Creative Pool Via Wikipedia

Só vejo vantagens em ver filmes alemães. É possível conhecer a temática do cinema alemão, bem como sua estética e linguagem. Além disso, tem a língua. Seja para manter o alemão afiado ou para quem ainda está dando os primeiros passos no idioma, os filmes podem ajudar bastante. Minha dica para quem só consegue assistir se for dublado ou com o auxílio das legendas em português é assistir duas vezes (pelo menos). Assista a primeira vez dublado ou legendado para entender a história e não tirar o fator diversão. Depois assista com legendas em alemão. As legendas servem de ‘muleta’ caso não consiga entender o que foi falado. Com o tempo e o treino, os olhos vão procurando as legendas cada vez menos.

Não sabe o que vai assistir?

Aqui vai uma humilde listinha de filmes alemães que já vi, revi e gosto. Quem sabe? Talvez você goste também.

Berlin nos anos 20

Menschen am Sonntag (1929) – Robert Siodmak
Berlin. Die Sinfonie der Großstadt (1927) – Walther Ruttmann

A vida na Alemanha Oriental

Sonnenallee (1998/99) – Leander Haußmann.
Goodbye, Lenin! (2003) – Wolfgang Becker
Die Legende von Paul und Paula (1973) – Heiner Carow
Solo Sunny (1980) – Konrad Wolf

Diretores

Cartaz Metropolis

“Metropolisposter” Via Wikipedia

Fritz Lang – Metropolis (1927), M – eine Stadt sucht einen Mörder (1931) e todos os filmes antes do exílio nos Estados Unidos.
Andreas Dresen – Halbe Treppe (2002), Sommer vorm Balkon (2005), Wolke 9 (2009), entre outros, que mostram as crises da vida.

Outros

Lola rennt (1998) – Tom Tykwer
Gegen die Wand (2004) – Fatih Akin

Você tem alguma dica de filme alemão?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *