Sumida, mas não morta

Pois é, eu sumi, mas não morri. Essa pausa nos posts tem um motivo: mãe. No início de julho, ela chegou. Foi um sábado ensolarado e abafado em Berlin. Aliás, ela deu muita sorte!

Chafariz Alexanderplatz

Matando o calor no chafariz na Alexanderplatz

Foram 5 semanas de calor e temperaturas altas. Em alguns momentos, parecia uma Berlin tropical: sol rachando pela manhã, temporal no fim da tarde e noite estrelada. Esse verão foi um presente. Podemos passear sem nos preocuparmos com chuva, vento ou qualquer outra coisa desmancha prazer de turistas.

Sendo assim, sobrou muito pouco tempo para postar aqui. Espero que entendam, mas mãe é mãe e a minha mora longe. Não posso dar uma passada depois do trabalho e pegar a janta; não posso visitar no domingo; não posso combinar de tomar um café no final da tarde. A gente tinha que aproveitar todo tempo possível!
Pena que o tempo passa rápido… Já está quase no dia dela voar de volta. Aí vai ficar só a saudade, a imagem via câmera e a espera até o próximo reencontro.
Bem, vou ali curtir mais um pouco de mãe e logo logo estou de volta.

2 Responses to “Sumida, mas não morta

  • Que delícia!! Aproveite mesmo a visita da sua mae, so quem mora Longe sabe como essa saudade dói!!! Bjooo

  • Dói mesmo, Aline! Ela já voltou e esses dias logo após a partida parece que são os piores… você não acha? Mas faz parte da escolha em morar em outro país.
    Beijo grande!

Deixe uma resposta para Aline Dota Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *