Jogo do amor

Hoje o artigo da série amor celebra o dia dos namorados! Então o assunto será o contato físico. Como as coisas acontecem pode até mudar de um lugar para o outro ou ter um outro valor, mas no final das contas beijos, abraços e sexo são universais.

Beijos

cadeado do amor

Já foi falado aqui que o povo não é de ficar dando aqueles beijos que parece que um vai entrar um dentro do outro. Não em público, mas longe dele aí é outra história.

Surpresa para mim, foi o tal do Zungenkuss – o beijo de língua. Até então na minha vida estava muito claro que os casais se beijam assim. Já explico. Devido ao meu trabalho, tenho contato com (pré)adolescentes. Daí que já ouvi várias vezes essa história de beijar sem língua entre eles. Não estou falando de dar bitoquinha: é beijar no vácuo mesmo. A explicação dada é que esse beijo é meio nojento e além disso precisa de confiança. Eu nem beijaria então, ora bolas!
Claro que não podemos dizer isso de todos os adolescentes alemães, mas achei estranho. Juro que não me lembro dessa parte na minha adolescência. Se alguém lembrar e quiser falar, eu agradeço. Assim não me sinto tão só nesta experiência.

Corpo

Esse tópico rende assunto para tese de mestrado, doutorado, pós-doc e muito mais. Vou falar do que acho que se encaixa aqui na série.

Revistas

Há muitas revistas aqui para o público adolescente. Uma muito famosa é a Bravo. Nela existe a famosa coluna do Dr. Sommer. Durante 15 anos, ele respondeu às dúvidas e perguntas de leitores adolescentes sobre sexo, amor e intimidade. Depois um time passou a escrever a coluna.
Esse tipo de coluna pode ser visto em quase todas essas revistas. Tudo muito direto e muito aberto, sem ficar fazendo rodeios. Umas das revistas que minha aluninha lia tinha uma seção que vinha sempre um rapazinho e uma mocinha em nu frontal. Cada um respondendo perguntas do tipo idade, sem tem ou não namorado/a, onde estuda, qual a parte do corpo que mais gosta e coisa e tal. Na primeira vez eu não pude esconder minha surpresa com a abertura e naturalidade da coisa.

Natural

Por aqui não se vê a apelação e a sensualidade exacerbada do corpo como no Brasil. Aliás, naturalidade com o corpo nu é uma coisa que se aprende aqui, especialmente para as pessoas que moram nas regiões da antiga Alemanha Oriental.  Puritanismo, ainda mais quando é hipócrita, não é típico de alemães.

Sexo

casal na cama

A naturalidade se estende também ao sexo. Portanto é tratado com uma obviedade germânica que as pessoas a partir de uma certa idade façam sexo. Que idade? Bem, a idade de iniciar a vida sexual vem diminuindo aqui, tanto para os meninos quanto para as meninas. Isso não é visto como um grande acontecimento, com drama ou fogos de artifício, mas sim como um estágio natural da vida. Eu diria que a primeira vez geralmente por volta dos 15 ou 16 anos. Quem começa muito antes disso é chamado de Frühzünder e quem começa depois, de Spätzünder. 

Motel

Nunca vi motel aqui. Aliás, algumas pessoas sabem da existência de motéis no Brasil e apesar da curiosidade, quase todas demonstram um certo nojo na ideia de transar numa cama onde sabe se Deus o que já rolou por ali e com uma infinidade de gente.
Tá se perguntando como os adolescentes resolvem isso? Em casa mesmo. Na dela ou na dele. Com os pais sabendo. Tá se perguntando de novo o que o povo que ‘pula a cerca’ faz? Se uma das partes tem a casa livre, então tá resolvido. Caso contrário, vai ter que buscar outro lugar…

Números

Uma pesquisa sobre sexo indica que os alemães:
– 117 é a quantidade de vezes que têm sexo por ano.
– 18,5 minutos são gastos no Vorspiel (prelinimares)
– 17,6 minutos são gastos no Geschlechtsverkehr (ato sexual)
– 36 minutos é o tempo total gasto durante o Liebsspiel (jogo do amor)

Dia dos namorados

Por volta de 60% dos alemães celebram o dia dos namorados. Apesar do apelo das lojas, muita gente deixa o dia passar totalmente em branco. Os presentes ficam em torno de 10 e 25 Euros. O buquê de flores é de longe o presente mais dado neste dia, seguido de caixas de chocolate e cartões. Em quarto lugar fica o jantarzinho romântico.
Então encerro aqui o último artigo da série amor. Foi um prazer escrever e trocar comentários sobre o assunto. Ainda tem muito do que se falar sobre amor, mas fica para uma outra oportunidade. Você tem uma ideia para uma nova série? Então me mande uma mensagem ou deixe seu comentário. Desejo a todos muito amor hoje e sempre!

7 Responses to “Jogo do amor

  • Nossa, adorei! Vc pesquisou bastante sobre os números? Mamy

  • Que bom que gostou! Sim, esses números saíram nas pesquisas que consultei 🙂
    Bjs!

  • Ana Gaspar
    4 anos ago

    Lu, me assustei com a idade do inicio ao sexo…
    Parece um pouco prematuro… olha a vovozinha falado, rsrsrsr.
    Mas adorei o post, saber um pouco mais desta cultura que convivemos neste momento da vida.
    Ainda aqui no Brasil… rsrs
    Mas saudades dai!! acredita??
    beijinhos
    Ana Gaspar

  • Obrigada, Ana!
    Olha, não se assuste, viu? Tem meninos e meninas aqui começando com 12 e 13 anos!!
    Quando vc volta? Acredito sim na sua saudade daqui 😉
    Beijo grande!

  • fiquei sabendo que grande parte mulheres alemâ sâo mâe solteira governo ajuda financeiramente e na educaçâo dos filhos até eles completarem 18 á 20 anos , conheço alguma mulheres joven que já tem dois filhos cada uma elas sao alemã

  • Oi, Selly!
    Se a mãe é solteira, ou não, é simplesmente irrelevante. Quanto à idade, as crianças recebem no mínimo até os 18 anos, mas existem fatores que podem prolongar o recebimento da ajuda financeira. Além disso, a ajuda vale também para filhos de estrangeiros conforme casos bem específicos.
    Um grande abraço!

  • Anne Spie
    3 anos ago

    Amei o Blog, já virei fã!

Deixe uma resposta para Ana Gaspar Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *