Bowie e Berlin

Na semana passada, precisamente no dia 8, David Bowie lançou o single ‘Where are we now?’ e anunciou para março seu novo álbum. A notícia recebeu destaque na mídia, já que este será o primeiro álbum após uma década de silêncio.
 
No vídeo, ao fundo, um filme em preto e branco é projetado na tela com imagens de Berlin. Enquanto isso, Bowie vai fazendo referências à cidade na canção. A música é um retorno melancólico a Berlin, cidade onde viveu nos anos 70.

Quer saber quais são essas referências? Então vem comigo.

David Bowie

Nascido em Londres, Bowie mudou-se para Berlin em 1976 e viveu até 1978 na Hauptstrasse 55, no bairro Schöneberg, localizado na parte ocidental da cidade. No mesmo endereço, mas no prédio de fundos, morou Iggy Pop. 
 
Durante o tempo que morou na cidade, produziu três álbuns – Low, Heroes e Lodgers – que ficaram conhecidos como a trilogia de Berlin.  Apenas o segundo álbum foi totalmente feito na cidade nos estúdios Hansa, que ficava a poucos metros do Muro.
 
Em entrevista dada em 1977, Bowie afirmou que da janela do estúdio ele via um casal que todos os dias tinha seu encontro romântico próximo ao Muro, perto da torre de controle. Com tantos lugares na cidade, ele não entendia o motivo do casal se encontrar exatamente ali! As histórias divergem quanto à identidade do par, o fato porém é que eles deram origem a Heroes, canção que virou uma espécie de hino nos anos que se seguiram até a queda do Muro.
 
Em ‘Where are we now?‘ tantos as referências visuais quanto as verbais são muito claras e não deixam nenhuma sobra de dúvida quanto à visita de Bowie ao passado em Berlin

Potsdamer Platz

“Had to get the train from Potzdamer Platz”1

Com a construção do Muro, a região caiu num sono profundo: desabitada e sem vida, exceto pelas torres de controle. Na época que Bowie viveu na cidade, ninguém imaginava que em pouco mais de uma década seria possível pegar de novo um trem em Potsdamer Platz.

O Muro passava bem por cima da estação e com isso ela foi desativada. Em 1992, a estação de trem foi reaberta e um ano mais tarde, a linha de metrô voltou a funcionar.

Dschungel e Nürnberger Strasse

“Sitting in the Dschungel on Nurnberger Strasse”

Nos  anos 20 do século passado, a rua já atraía quem procurava diversão. Foi construído ali um prédio – Haus Nürnberg – que abrigou Femina, uma casa de espetáculos com mais de 2.000 lugares, dois enormes bares, elegantemente decorada e com um teto que se abria. A casa oferecia chás-dançantes diários, atrações de dança e orquestras para animar os berlinenses. 
Com o passar do tempo, o prédio foi sendo utilizado de várias formas. Após a Segunda Guerra, funcionou no porão um local dedicado ao jazz. Nomes famosos cantaram ali, entre eles Ella Fitzgerald e Duke Ellington. É por isso que o hotel que hoje funciona no prédio chama-se Ellington Hotel, em homenagem ao  músico.
 
De 1978 a 1993, funcionou no prédio o bar e boate Dschungel. O local recebia pessoas famosas do mundo da música e do cinema. Conseguir entrar na boate era algo exclusivo. A lenda diz que Sylvester Stallone e Boris Becker foram barrados. A boate chegou a ser considerada um espécie de ‘Studio 54‘ europeu. E era lá que Bowie ‘batia o ponto’.

KaDeWe

“A man lost in time near KaDeWe”

A requintada loja de departamentos fica situada na antiga parte ocidental da cidade. Ela, juntamente com a estação Wittenbergplatz, marcam o início da famosa rua de compras de Berlin: Tauentzienstrasse e Ku’damm.  

Com a divisão da cidade, a região onde a loja está localizada transformou-se no novo ‘centro’ da cidade, sendo conhecida até hoje como City-West. Não era apenas durante o dia que a área era movimentada. Várias boates tinham seu endereço pelas redondezas da KaDeWe e quem procurava diversão sabia que oferta ali era grande. Não mais que a 350 metros de distância da loja ficava a boate Dschungel.

Bösebrücke

“Twenty thousand people cross Bose Brucke” 

A ponte que passa por cima da linha de trem liga os bairros Wedding e Prenzlauer BergCom a divisão da cidade pelo Muro, o primeiro bairro ficou na parte ocidental; o segundo, na oriental, que acabou tendo o controle sobre a maior parte da ponte. 
 
O trânsito foi, então, interrompido. A estação Bornholmer Strasse também ficou fechada e os trens só podiam passar por ela, sendo proibido parar. Um posto de controle de fronteira foi construído na ponte para o trânsito de veículos privados e pedestres. 
 
Na noite de 9 de novembro de 1989, este foi o primeiro posto a ser aberto para que os cidadãos do lado oriental pudessem atravessar para o lado ocidental. Por isso, a ponte tornou-se um símbolo da liberdade e da união da cidade.

Coisas que podem ser vistas durante o vídeo

A mais óbvia de todas é o Muro, ou melhor, partes dele. É possível reconhecer a parte que ficava próxima aos estúdios onde Bowie gravou seus álbuns. Hoje, o que restou do Muro pode ser visto no Infocentro do Ministério do Meio-Ambiente, construído no local. A torre de controle, que também aparece no vídeo, continua ao ar-livre. 
 
Vários outros lugares conhecidos da antiga parte oriental da cidade aparecem: a torre de TV na Alexander Platz, Brandenburger Tor e Berliner Dom. É como se fosse um passeio ligeiro, observando coisas que um dia estiveram do outro lado do Muro. 

Da parte ocidental, o vídeo mostra o Reichstag. Em 1987, Bowie fez um concerto bem em frente ao parlamento e cantou Heroes. Jornais da época reportam que jovens da parte oriental da cidade se juntaram próximo ao Muro para, pelo menos, ouvir o concerto. O prédio em Schöneberg onde Bowie morou aparece em vários momentos e o vídeo termina com a imagem da Siegessäule.

Tirando o lado pessoal que é bastante forte na música, acho que a pergunta do título, que também faz parte do refrão, pode ser ampliada. Ela soa como um convite à reflexão sobre as mudanças pelas quais não só a cidade, mas o mundo vem passando desde a queda do Muro.

Você já viu o vídeo do single? O que achou?

1Todas as citações foram retiradas do vídeo, exatamente da forma como aparecem.

6 Responses to “Bowie e Berlin

  • Menina, eu ouvi a música, adorei, e nem prestei atenção na letra, acredita?? Eu AMO David Bowie, e tudo por causa de um livro alemão…Wir Kinder vom Bahnhof Zoo! Esse livro marcou minha adolescência. Vou ouvir a música de novo agora lendo a letra hehe

    beijos

  • Marcela,

    eu também li esse livro! Foi logo no início da adolescência, mas em português – o famoso 'Eu, Christiane F., drogada e prostituída'. Foi um livro marcante pra mim. Na adaptação do livro para o cinema, o Bowie aparece cantando 'Heroes'.

    Bowie é muito bom! É o tipo de artista que todo mundo deve conhecer, nem que seja pra depois dizer que ouviu e não se identificou com o cara 😉

    Bjs,
    Lu

  • Oi Lu!
    sempre com novidades!!!! não conheço muito sobre ele… mas quando fazia Jazz (nos anos 80) a professora deu uma coreografia com uma musica dele… rsrsr
    beijinhoss

  • Eu não posso dizer que sou fã de carteirinha dele porque não conheço bem toda a obra, mas gosto dele, Ana.
    Agora uma coisa é certa, ele devia ser mesmo o preferido de 9 entre 10 professores de dança porque parece que todo mundo já fez uma coreografia com música do Bowie rsrsrs Será que foi influência do álbum 'Let's dance'? Tudo indica que sim, né?
    Bjs,
    Lu

  • Olá Lu, tudo bom?

    Sou fã do Bowie e acei seu blog por "acidente".
    Adorei seu texto e a explicação da letra da nova música do Bowie. gostaria de saber se posso colocar esse texto no meu blog (colocando os crréditos para você e seu blog).

    Besitos e tenha uma ótima semana,

    dianah B

  • Seja bem-vinda Dianah!
    Que bom que você achou o blog, mesmo sendo um 'acidente' 😉
    Um grande abraço e um ótimo fim de semana,
    Lu

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *