Ano Novo na Alemanha

Vestir-se de branco, comer doze uvas na virada do ano e dar três pulinhos com a taça de champagne na mão estão entre algumas das tradições brasileiras para o Ano Novo. Mas e na Alemanha? Tem tradição de Ano Novo? 

Sim, embora muitas já tenham se perdido no tempo e outras estejam ficando cada vez mais esquecidas…

Silvester

Primeira coisa a saber, o Ano Novo aqui chama-se Silvester. Lá no século IV viveu o Papa Silvester (Silvestre, em português). Ele reorganizou a igreja católica e contribuiu para seu crescimento. Ele morreu em Roma no dia 31 de dezembro de 335 e desde que foi canonizado no século V, passaram a celebrar seu dia nessa data. Nós temos a corrida de São Silvestre, lembra? Então, é fácil guardar o nome em alemão.

Fogos, muitos e muitos fogos!

Após o solstício de inverno (22 de dezembro), os povos germânicos celebravam zwölf Nächte (doze noites), período conhecido também como Rauhnächte. O calendário lunar, utilizado por muitos povos, tem uma diferença de onze dias a menos em relação ao calendário solar. 
 
Esse período de doze noites era conhecido como dias mortos, pois estavam fora da contagem dos dias do calendário lunar. Acreditava-se que as forças da natureza ficavam fora de controle e caiam as barreiras entre os mundos. Por isso, os maus espíritos e o azar conseguiam circular pela Terra. Para espantá-los, só fazendo muito barulho. Dos chocalhos e chicotes utilizados pelos povos germânicos, passando pelos sinos e trombetas, chegamos até aos fogos de artifício e shows pirotécnicos dos tempos modernos. 
 
É impressionante como o povo aqui, nesta época, compra bombinhas, morteiros, rojões, estalinhos e tudo mais que produzir estampido! Em alguns casos, chega a ser desagradável andar pelas ruas com tanta gente soltando fogos por aí.

Trabalho? Deixe para o próximo ano

Há uma lenda que os povos antigos acreditavam que o sol estava amarrado a uma roda que girava ao redor da Terra. No último dia do ano, os deuses não giravam a roda. Da mesma forma, os homens deveriam parar as atividades e aguardar o início do novo ano para voltar ao trabalho. 
 
Especialmente mal visto na lista de crendices, é pendurar roupas no varal. As roupas poderiam atrapalhar a visão de Wotan, deus da morte e das tempestades, que passeia pela Terra nesse período, tornando-o irritado e despertando o azar.

Schwein haben

A expressão Schwein haben significa ter sorte. O porco é um símbolo da sorte nessas terras de cá! Comer carne de porco na ceia de Ano Novo é o que há de mais tradicional! Presentear as pessoas com porquinhos de porcelana, chocolate ou marzipan é fazer a sorte fluir. 

Garantindo a fartura para o ano que se inicia

A tradição de comer lentilhas no Ano Novo eu já conhecia do Brasil. Aqui, além da sopinha de lentilhas, é comum servir sopa de ervilha como uma forma de atrair sorte e fartura para o novo ano. 
 
A fartura está simbolizada também no costume de assar bolos e pães para presentear as pessoas queridas. Fica claro, assim, que você está desejando que nunca falte o pão na mesa.

Silvesterkarpfen

Aves na ceia de Ano Novo? Nem pensar! Elas voam e carregam a sorte junto. Então, quem não come porco opta pelo peixe, especialmente a carpa. Tradição em algumas regiões da Alemanha, a carpa também simboliza fartura. Hoje elas são criadas em tanques, mas já houve um tempo que a oferta era muito pequena. Por isso diziam ser bom ter uma escama da carpa na carteira para nunca faltar dinheiro.

Sorte

Além do porquinho, trevos, cogumelos, joaninhas, ferraduras ou um limpador de chaminé atraem a sorte, seja nos cartões ou em miniaturas.

Silversterparty

A festa de Ano Novo pode ter variadas formas e tamanhos. Tem quem prefira festas pequenas com alguns bons amigos; alguns preferem passar numa grande festa organizada por um restaurante ou hotel; outros gostam de ir para a rua. 

Celebrando o Ano Novo em Berlin

A maior festa de rua na Alemanha acontece em Berlin entre o Brandenburger Tor e a Siegessäule. É muito legal e em grupo é melhor ainda, claro! Mas tem um pequeno detalhe: fica LO-TA-DO! Aliás, a cidade já está lotada de gente de tudo quanto é parte do mundo. 
 
Quem pretende ir à festa deve chegar cedo. Apesar de ser ao ar-livre, a área fica cercada e o acesso é feito por apenas 5 entradas com controle. É proibido entrar com objetos de vidro, cortantes, fogos de artifício, animais, armas, garrafas PET com volume maior que 500ml, megafone, banquinho, cadeira, mala, entre outros. Todo mundo é revistado e com isso forma-se uma fila gigantesca. 

Outra opção é ir para uma ponte e curtir o panorama da cidade sob a chuva de fogos. Estranho? De jeito nenhum. Algumas pontes são bastante concorridas como a Oberbaumbrücke e a Moltkebrücke, mas há muitas outras pela cidade onde é mais fácil encontrar um espacinho.

Para quem não quer ficar em casa, mas não gosta de ficar na rua no meio de milhares de pessoas, há muitas e muitas festas que rolam pela cidade. Procure por Silvesterparty, Silversterfeier ou Silvestersause in Berlin. 
 
Quais são seus planos para celebrar a chegada de 2013? Você segue alguma tradição?

4 Responses to “Ano Novo na Alemanha

  • O porco é um símbolo da sorte nessas terras de cá!
    Chamar a pessoa de Schwein pode ser um elogio, então? É uma pergunta boba, mas eu fiquei encucada com o livro "A Menina Que Roubava Livros". Rsrs

    Bom, geralmente passo a virada do ano na praça da minha cidade. Gosto de queima de fogos e dos shows. No entanto, a virada do ano por aqui não será mais tão divertida porque não terá a festa na praça. Até agora não sei o que vou fazer. :S

  • Não, Tati! Chamar alguém de Schwein não é elogio… No máximo, você pode dizer que alguém é seu Glücksschwein, ou seja, alguém que traz sorte e felicidade 😉 Bem, eu não li o livro… A menina tinha um porquinho?
    Poxa! Foram cortar logo a festa de fim de ano da cidade! O jeito é transferir a festa pra dentro de casa 😉
    Bjs,
    Lu

  • Adorei a ideia do Glücksschwein!

    Antes se ela tivesse um porquinho, Lu. A madrasta da menina chamava todo mundo de "porco" e "porca", rsrs. Só não me lembro se ela usava exatamente a palavra "Schwein". Estranho, não? Acho que todo mundo fica paranoico com isso após ler esse livro. 🙂

    Aliás, Schwein me lembra o nome de certo moço por ai… 😀

  • Fiquei curiosa pra ler o livro 🙂 Chamando todo mundo de porca e porco, ela provavelmente não estava fazendo elogios rsrsrs
    Quanto ao moço daqui :-D, não é um insulto, pois pegaram parte do nome dele e colocaram no diminutivo, então apela pro lado emotivo e carinhoso 😉
    Bjs,
    Lu

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *