Dois beijinhos e um problema

O que você faz quando encontra familiares e amigos? Eu dou um abraço e dois beijinhos. Quando sou apresentada a alguém, dou um aperto de mão e fico alerta pra ver se a pessoa vai dar aquela puxadinha ou inclinada básica pra dar beijinho. Sempre entendi que a reciprocidade do beijinho numa apresentação não tinha segundas intenções; a pessoa estava apenas sendo simpática. 
beijinho

 

Estando fora do Brasil, ligo meu modo automático para aperto de mão, mesmo para amigos. Para quem acabo de conhecer, aí não tem beijinho de jeito nenhum! O problema é aquele dia que você acorda desorientada…

Sabendo que o beijinho indica ligação e intimidade entre as pessoas, imagine se eu ia sair dando beijinho na Alemanha, né? Mas costume é uma coisa que pega a gente pelo pé!
 
Logo que cheguei conheci uma professora de português que era quase minha vizinha. Um dos seus alunos já estava de malas prontas para embarcar para o Rio de Janeiro e queria pegar algumas dicas sobre a cidade. Em troca, ele se oferecia para praticar alemão comigo. Ela me indicou e eu topei. Ficou combinado da gente se encontrar duas tardes seguidas antes da viagem.
 
No final do primeiro encontro, depois de quatro horas de conversa, abro a porta e na hora de me despedir, aperto a mão e dou a inclinada báscia pra dar beijinho. Houve aquela pausa de segundinhos até a outra pessoa reagir, mas suficiente para ver que tinha ultrapassado uma regra. Tarde demais para voltar com a cabeça pra trás. Depois veio o comentário: “Não imaginei que tudo ia acontecer tão rápido entre a gente” E eu com aquela cara de ‘como assim?’.  Que tudo, meu filho?! 
 
Como ele frequentava um curso de português e se preparava para ir ao Brasil, imaginei que ele soubesse do detalhe do beijinho. Ele não poderia interpretar mal, né? Mas ele interpretou pior ainda. No dia seguinte, chega ele perfumado, bem vestido, com bolo, frutas e cerveja para dois! Tive vontade de desaparecer naquele momento! Bem, tivemos mais quatro horas de conversa, como combinado, e no final dei a desculpa que precisava sair logo porque tinha um encontro com uma amiga. Senti um certo desapontamento na cara dele… acho que estraguei seus planos. Pode não ter sido muito elegante da minha parte, mas não vi outra solução.
É verdade que, da época desse caso pra cá, algumas coisas mudaram. O beijinho, porém, ainda é de uso muito restrito na Alemanha, mesmo entre os adolescentes. Ninguém sai dando beijinho nem quando chega, nem quando sai. E pra mim, ficou a lição: sempre ter cuidado redobrado quando o assunto é costume.

2 Responses to “Dois beijinhos e um problema

Deixe uma resposta para Ana Gaspar Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *